domingo, 31 de julho de 2011

NOVAS FILIAÇÕES: Ato terá a presença de Olívio Dutra

O Partido dos Trabalhadores de Porto Alegre realiza nesta segunda-feira, 1° de agosto, um ato de filiações em sua sede na João Pessoa, 785. A atividdae será às 19h, com a participação de sua Executiva Municipal, parlamentares e do ex-governador Olívio Dutra.

Para Adeli Sell, presidente do PT da Capital, este ato marca o início de um novo ciclo de mobilizações internas do PT tendo em vista as eleições de 2012. "Vamos além de filiar, debater com os militantes e simpatizantes, para termos uma estrutura de campanha vigorosa e uma nominata forte de candidatos a vereador, " disse Adeli.

De acordo com o presidente, será a direção municipal que irá comandar as articulações políticas e eleitorais para a disputa da prefeitura, podendo cada filiado opiniar e participar ativamente, mas quem falará pelo partido será sua direção, a partir de decisões tomadas de forma democrática.

"Vamos sim conversar com a direção nacional, com o ex-presidente Lula - que conhece bem as realidades locais -, com o nosso governador Tarso Genro, mas quem fala por Porto Alegre somos nós", finaliza Adeli.

Asscom PT-POA

sexta-feira, 29 de julho de 2011

PT entrega carta a Porto Alegre aos dirigentes do Simpa

Adeli e Caçapava foram recebidos pelos diretores do Simpa
A direção municipal do Partido dos Trabalhadores iniciou nesta sexta-feira (29.07) uma série de visitas às entidades porto-alegrenses com o objetivo de entregar pessoalmente a Carta a Porto Alegre, documento redigido pelo partido e divulgado no início do mês no qual abre os debates sobre as eleições de 2012 com as bases do PT e a sociedade.

O presidente municipal, vereador Adeli Sell, e o Secretário de Movimentos Populares, Danilo Toigo Caçapava, visitaram a direção do Sindicato dos  Municipários de Porto Alegre (Simpa). Na oportunidade, foram recebidos pelos diretores da entidade Carmen Padilha e Mário Fernando. "Queremos abrir um amplo debate na sociedade, dialogando com todos os partidos e entidades de forma aberta e franca", disse Adeli.

Na carta entregue ao Simpa, o PT defende as conquistas obtidas pelo partido durante os 16 anos em que esteve à frente da prefeitura da Capital e ressalta que a vitória do PT em Porto Alegre passa por um amplo debate com a militância partidária e com a população na construção de um programa de governo democrático e popular, buscando a constituição de uma política de alianças no campo popular e com os movimentos sociais.

Trata-se de um convite às organizações sociais para tratar de alternativas ao desenvolvimento da cidade, que privilegiem as dimensões social e ambiental, além de encontrar caminhos para enfrentar o colapso da mobilidade (vias estruturais e transporte coletivo), recuperar a qualidade dos serviços públicos e das políticas de saúde, educação, segurança, cultura e infraestrutura urbana.

Os dirigentes do Simpa elogiaram a postura do partido. "Achamos importante esta iniciativa. É um passo a ser seguido", disse Carmen Padilha.

Asscom PT-POA

Porto Alegre está perdendo o rumo do futuro: veja exemplos de ruas sustentáveis em Nova York


A ação pretende tornar as ruas de Nova York, nos EUA, mais sustentáveis. O foco sai dos automóveis e passa aos pedestres e ciclistas, através da construção de jardins e ciclovias. O vídeo é de Sérgio Abranches, do site http://www.oeco.com.br/. Vale a dica e a discussão para implantarmos projetos semelhantes em Porto Alegre.

Urgente: Retrofit do edifício “Esqueleto”, no centro de Porto Alegre

Por Gilberto Simon, Blog Porto Imagem

O arquiteto e urbanista Marcelo Gotuzzo, como largamente divulgado pelo Blog Porto Imagem, é o responsável pela criação deste belo projeto de retrofit para o Edifício Praça XV, o chamado “ESQUELETO”. Além de um simples retrofit, o projeto é acompanhado por uma proposta de ocupação. O prédio inacabado já se tornou símbolo da nossa cidade. Mas seu destino está traçado.

Confira aqui a matéria que foi publicada no Jornal do Centro para que possamos ter conhecimento deste importante passo que será dado para a revitalização urbanística do nosso centro histórico.

Uma proposta para prédios abandonados no Centro Histórico

O Projeto Retrofit Edifício Praça XV, do arquiteto e urbanista Marcelo Gotuzzo recebeu recentemente a menção honrosa no Concurso Nacional de Projetos de Arquitetura Ópera Prima 2011 – realizado pelo IAB, em parceria com a Revista Projeto Design. Mestrando em Arquitetura pela UFRGS, Gotuzzo estuda referências de reciclagens de edificações promovidas por comunidades autônomas. E vê potencial para este tipo de uso no prédio, conhecido como esqueleto da Praça XV, que se encontra inacabado há cerca de 60 anos, em pleno Centro Histórico de Porto Alegre.


Foto de Gilberto Simon e, ao lado, a simulação de Marcelo Gotuzzo e Gilberto Ribeiro

De acordo com o arquiteto, o edifício tem potencial de revitalização nos moldes da participação coletiva, pois possui uma grande estrutura ociosa em local de fácil acesso a todas as comunidades do grande perímetro urbano da capital. Ele explica que a “recuperação proposta é voltada para o uso público, com projetos de inclusão social, e, se viabilizada, trará enorme retorno à cidade, que há 60 anos aguarda o desfecho dos 20 andares da estrutura pronta em concreto armado desta edificação inacabada”. Gotuzzo afirma que a iniciativa é apoiada pelos proprietários da edificação e diversas entidades autônomas consultadas.

Entre os apoiadores e idealizadores do projeto estão a Comunidade Utopia e Luta e Valther Maestro, que tem participação em diversos projetos autônomos, na área da formação e geração de renda.

O arquiteto afirma que o professor Maestro “realiza projetos pedagógicos vanguardistas, no âmbito mundial, junto às comunidades que vivem em áreas de periferia no Brasil”. Quanto ao uso, o projeto propõe um Centro Comunitário Autônomo com estrutura de uso público, a ser gerenciada e mantida pela própria comunidade – através de associações, cooperativas e ONGs. O arquiteto ressalta que “convivem no projeto de recuperação desta grande estrutura os usos da habitação, cultura, formação, geração de renda, autonomia alimentar com terraços produtivos e enfermaria para assistência médica básica.”

Quanto à implantação do projeto, na reciclagem mantém-se grande parte do concreto armado original. Gotuzzo ressalta que “laudo técnico recente atesta a viabilidade do uso desta estrutura, o que significa uma redução no custo da obra.” Além disso, explica que se somam, a esta estrutura original, novos elementos em estrutura metálica, com fechamentos leves e pré-fabricados.
As adições são conectadas externamente – e de forma sutil – ao corpo da edificação original. “Este tipo de construção possibilita uma obra limpa, segura e rápida, além de fazer uma clara distinção entre o novo e a estrutura pré-existente”, afirma.

No total, são 10.513 m² de área construída, sendo 6.800 m² desta área destinada à habitação, e 3.713 m² destinados a projetos diversos, no Centro Comunitário Autônomo.

* Texto escrito pelo corpo editorial do Jornal do Centro
____________________________
.
Confira também o Blog que o Arq. Marcelo Gotuzzo acaba de lançar para divulgar o projeto e tornar realidade o retrofit do esqueleto: http://autogere.blogspot.com/

PT abre os debates sobre 2012 com as zonais

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Diárias de algumas pessoas da prefeitura de Porto Alegre

Tirem suas conclusões:

NOME………………..em 2010……….1º sem.2011…….t o t a l

Rodrigo S. Corradi……100.998,00…………… – ……………. 100.998,00
José A. Fortunati……. 37.298,00……….. 6.370,00 ……. 43.668,00
Alexandre F. Damo….. 32.130,00…………… – ……………. 32.130,00
Luiz F. Moraes………. 30.978,00………. 28.072,00 ……. 59.050,00
Adelaide K. Pustai…… 19.384,00…………… – ……………. 19.384,00
Dafni N. dos Santos… 18.554,00…………… – ……………. 18.554,00
Flavio F. Presser……. 17.847,00……………. – ……………. 17.847,00
Ricardo Goethe……… 15.786,00…………… – ……………. 15.786,00
Julia C. Lima………… 10.376,00……….. 18.785,00 ……. 29.161,00
Vladimir O. da Silva… 10.208,00……………. – ……………. 10.208,00
……………………………………………Total…………………… 346.786,00

Plataforma Especial: Arquitetura no Perú

 


© Genaro Alva

Por estos días, en Perú se celebran las Fiestas Patrias, cumpliéndose 190 años desde la declaración del acta de independencia de España. A diferencia de otros países estas celebraciones coinciden con la semana de vacaciones de las escuelas y varias instituciones, por lo que gran parte del país tiene la posibilidad de compartir y disfrutar de las actividades preparadas para la ocasión.

A continuación, los invitamos a disfrutar y conmemorar la arquitectura peruana a través de una selección con algunos proyectos que hemos publicado en Plataforma Arquitectura.


Casa en Las Palmeras / Artadi Arquitectos

© Elsa Ramirez

El proyecto organiza el programa en tres niveles: el primero reúne todos los ambientes de servicio, cocheras y dormitorios de huéspedes. El segundo nivel alberga las habitaciones principales y el tercero está destinado a las áreas sociales como cocina, sala, comedor, terraza y piscina… (seguir leyendo)

Casa de Campo Santa Eulalia / René Poggione, Susel Biondi Antúnez de Mayolo


© Michelle Llona R
El proyecto se arma a partir del paisaje preexistente: un pequeño terreno en la sierra de Lima, en el valle de Santa Eulalia. Una parte del terreno era un huerto de frutales, por lo que la casa se ubicó de tal manera que no se botaran los árboles existentes… (seguir leyendo)

El Mercado Restaurant / Oz Arq

© Elsa Ramirez
Situado en un lugar complicado por su forma triangular en el centro con negocios a su alrededor, la vivienda esta hecha de adobe en el tradicional distrito de Miraflores en Lima. El proyecto crea un espacio para un restaurante, un taller-cocina, y las oficinas de uno de los mejores chefs del Perú… (seguir leyendo)

Club para La Asociación Militar / Genaro Alva y Enrique Llatas

© Rodrigo Apolaya
El encargo consistía en realizar 3 pequeños proyectos para el Club de la Asociación Círculo Militar del Perú: un gimnasio, un café-restaurante y un área de spa, los cuales deberían estar ubicados en terrenos diferentes dentro del club… (seguir leyendo)

Casa en La Encantada / Artadi Arquitectos

© Elsa Ramirez
El proyecto consiste en una casa unifamiliar ubicada en La Encantada, un barrio residencial ubicado en la costa de la ciudad de Lima. En razón a su carácter suburbano, el diseño de la casa nace del objetivo de encontrar la mayor relación entre el objeto construido y el jardín interior de la propiedad… (seguir leyendo)

Invasión Verde / Genaro Alva, Claudia Ampuero, Denise Ampuero, Gloria Rojas

© Genaro Alva
La recuperación del Centro Histórico de Lima se ha transformado en un tema recurrente. Hoy en día es posible encontrar una serie de actividades en esa ciudad que tienen por objetivo final transformar este importante punto en un foco cultural importante para los ciudadanos… (seguir leyendo)

Dona Helena Grecco presente sempre!!!

Dona Helena Greco, aos 95 anos faleceu (e ressuscitou), hoje, dia 27/07/2011. Seu velório vai ser à noite no Cemitério da Colina, em Belo Horizonte, e o sepultamento será amanhã, 5f, dia 28/07, as 11 horas no Cemitério da Colina.

Um pouco da combatividade de Dona Helena.

Diz Dirlene Marques: “Nos anos 70, um grupo de 7 jovens mulheres buscavam organizar em BH o Movimento Feminino Pela Anistia. E, fomos à manifestação em protesto contra a prisão dos Estudantes na Faculdade de Medicina da UFMG. No meio desta manifestação sobe no palanque uma senhora (na época achávamos bem velhinha, como imagino que os jovens nos devem ver hoje) que falou da responsabilidade de sua geração com aquela repressão. Corremos atrás dela e a convidamos para participar conosco do movimento que estávamos organizando. E, a partir deste instante passou a ser o coração e a cara do movimento. Enfrentava a repressão com a indignação que havia mostrado no seu discurso.

Sua trajetória de dona Helena Greco, depois, todos conhecem.

Assim, desde 1977 atua na luta pelos direitos humanos, combatendo incansavelmente todas as formas de opressão, do racismo a qualquer tipo de discriminação. O Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania retrata bem sua luta, quando coloca como seu objetivo: “o resgate dos direitos humanos e Cidadania no registro da combatividade e radicalidade peculiares à trajetória de nossa referência política. Para nós Dona Helena é a própria personificação da dignidade da política – luminoso exemplo de vida e exemplo de luta obrigatório nacional e internacionalmente.”

D. HELENA GRECO, PRESENTE!

Um abraço afetuoso. Gilvander Moreira, frei Carmelita.
e-mail:
gilvander@igrejadocarmo.com.br
www.gilvander.org.br www.twitter.com/gilvanderluis
skype: gilvander.moreira

Boxeador procura vereador Adeli Sell para implementar projeto social em Porto Alegre

Vereador Adeli Sell recebeu em seu gabinete, na quarta-feira, 27, o campeão de boxe Samir Santos acompanhado de Daniel Toralles e Claudio Toralles para conversar sobre o incentivo ao esporte na Capital e para conhecer o projeto Punho de Esperança, desenvolvido pelo boxeador na cidade de Rio Grande. 

O projeto, desenvolvido ha seis anos pelo atleta, tem como objetivo fundamental despertar a cidadania por meio do esporte. Para isso, trabalha com criancas em vulnerabilidade social apoiando nas tarefas escolares, controlando notas e desempenho e promovendo  o boxe, nas turmas atendidas no contraturno escolar. “Já atendemos 80 crianças e elas treinam e praticam boxe enquanto isso apoiamos sua vida estudantil com reforço escolar e acompanhamento do boletim. O sabor pelo esporte estimula a meninada a tirar boas notas”, disse Santos.

O projeto iniciou em Rio Grande e já foi levado a Pelotas, São Lourenço, Jaguarão e Santa Vitória do Palmar. O boxeador agora quer trazer a iniciativa a Capital com apoio dos irmão Toralles que já desenvolvem trabalho comunitario por meio do carnaval. “Nossa idéia é trazer o Punho de esperança para a cidade ligando-o com entidades ja consolidades e referência no trabalho com crianças. Sempre com a supervisão de Santos”, explicou Claudio Toralles.

O vereador irá marcar uma reunião da equipe com a Secretaria Municipal do Esporte e levará o tema, também, a Tribuna após o recesso da Camara de Vereadores. “Vamos buscar sinergia com Prefeitura, vereadores e até deputados para apoior e desenvolver iniciativas como esta que qualificam a educação e integram crianças a sociedade”, afirmou.

Ser uma cidade que cuida dos animais é o desafio para gestores públicos

O vereador Adeli Sell falou da experiência do legislativo na luta pelos Direitos dos Animais no I Seminário Municipal de Políticas Públicas para o Bem Estar Animal, realizado pela Prefeitura de Canoas na noite de quarta-feira, 27.

Adeli foi um dos painelistas do evento e defendeu a sinergia entre legislativo, executivo e sociedade civil para formação de um cenário favorável para superar o problema do abandono, maus tratos e crescimento da população animal. “É preciso reconhecer que sem a pressão e a militância de protetores de animais o tema poderia demorar ainda mais para ser uma pauta do executivo em qualquer cidade”, disse Adeli, ao elogiar a atuação do município de Canoas em especial a ação do Prefeito Jairo Jorge pela abertura deste canal de debate sobre a situação dos animais que habitam a urbe.

O vereador relatou sua experiência de 10 anos de participação do Fórum de Bem Estar Animal, criado pela Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Afirmou também que é preciso enfrentar a pauta com leis, rigor na fiscalização para cumprimento das mesmas, ações educativas e envolvimento da comunidade. “É preciso ter ações combinadas com leis que coibam cada vez mais a exposição de bichos como produtos, fiscalização rigorosa em pet shops, feiras e clínicas. Formação de uma cultura de guarda responsável e pela adoção, além de investimento do executivo para tratar e abrigar parte da comunidade de bichos de rua”, expôs Adeli. E, completou: “As cidades precisam ser cuidadoras, Canoas vai se transformar numa cidade que cuida dos animais”.

O seminário abordou também a experiência de Porto Alegre com a criação da Secretaria Especial dos Direitos dos Animais (Seda) e o trabalho feito na Capital até a formação da nova estrutura, com a presença da assessora Maria de Lourdes dos Santos Sprenger e os desafios e avanços da cidade de Canoas, com a Presença da diretora de Vigilância em Saúde da SMS, Judith Vasconcelos.

 Estiveram presentes o Prefeito de Canoas Jairo Jorge, da Vice-prefeita
 Beth Colombo, secretarios, vereadores, liderancas e militantes do tema.
O evento foi organizado para discutir diretrizes para o bem estar dos animais, soluções de acolhimento e controle da população animal e como as leis podem regular e diminuir os males contemporâneos como o abandono, maus tratos e aumento desordenado da população de bichos urbanos. Além disso, no processo de Orçamento Participativo do Municipio de Canoas, a população escolheu como uma das demandas a construção de um Centro de Bem Estar Animal. Para atender ao anseio da comunidade a Prefeitura criou a Unidade Municipal de Contrle e Bem Estar Animal, ligada a Secretaria de Saúde do Município.

Fotos: Paula Vinhas


quarta-feira, 27 de julho de 2011

CONSTRUINDO CIDADES MAIS INTELIGENTES

December, 13th 2010
10:00

nullEditor’s Note: The following is a guest post from Guru Banavar, Chief Technology Officer, Smarter Cities, IBM
When you think of the world’s smartest cities, London, Singapore, Stockholm, Sydney, Kitakyushu and others might come to mind for their innovative projects to reduce traffic, energy and waste.
But if you look deeper, there are hundreds of smaller cities that are getting smarter – and even outpacing big cities — by applying digital tools like analytics and location-based services to improve the way they manage city water, roads, parks, and utilities.
Take Corpus Christi, Texas, population 280,000. Corpus Christi has rolled out an intelligent city-wide system to help the city to quickly evaluate and respond to issues, anticipate and prevent problems and improve the quality of life for the citizens.
Before working with IBM, each city department had its own process for handling incoming work requests and maintenance, mostly tracking those problems on 3”5” index cards. Now with a city-wide call center, city managers can digitally see all the hotspots on a map, prioritize their responses and know who is handling problems across the city in real time. When data analytics showed that a third of the Corpus Christi’s water department’s effort was spent resolving problems at just 1 percent of customer sites, the city shored up those sites, ultimately cutting costs.
I think Steve Klepper of Corpus Christi captures this concept best when he talks about a city as a collection of data points — streets, bridges, parks, buildings, fire hydrants, water mains and storm water ditches. If you manage your data, you can measure it, and improve it continuously. And Mayor Joe Adame is pleased that city departments are coordinating and integrating around the data they all generate and share.
Check out the video to see the ‘street-view’ of this smarter city:YouTube Preview Image
Today another city — Providence, Rhode Island — is taking an innovative step today to address their energy consumption. A public/private partnership called OSCAR (Ocean State Center for Advanced Resources) is aiming to make Providence become greener and more sustainable, focusing first on smarter buildings and better energy consumption. This is just the tip of the iceberg. With help from IBM, Brown University, the University of Rhode Island and more than 30 local organizations, OSCAR aims to tackle healthcare, education, environmental, and economic development across the state. See here: www.Oscarri.org
In addition to Corpus Christi and Providence, IBM is working with 300 cities around the globe to be smarter by rolling out new projects (such as City of Cambridge in Ontario, Chesapeake Va), forging greater public/private partnerships and research projects (such as Dubuque Iowa, Cape Cod)http://www-03.ibm.com/press/us/en/pressrelease/28981.wss, and even issuing philanthropic grants for cities (Smarter City Challenge).
The bottom line is that cities need to be smarter; Cities are stressing the world’s resources. They consume an estimated 75 percent of the world’s energy and emit more than 80 percent of greenhouse gases.
India, where I spent the last 5 years, presents its own issues — rapid urbanization and population growth, as well as a rapidly rising middle class with disposal income is driving growth of cities. In fact, every minute during the next 20 years, 30 Indians will leave rural India for urban areas. At this rate, India will need some 500 new cities in the next two decades.
Many of the world’s emerging countries face similar issues, and I’m currently working with countries like Brazil, Vietnam, and China, in addition to India to address these issues. Countries in the developed world have a different set of problems related to economic slowdowns and changing demographics. Urban revitalization and improved services while cutting costs can also be addressed by developing innovative solutions. In short, if there were ever a time to focus on developing solutions for sustainable cities around the world, that time is now.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

CONTEINERES DA IGNORÂNCIA

contêineres da ignorância

Os novos contêineres de lixo - Foto de Eduino de Mattos

12/07/2011 - Implantação do Primeiro Contêiner da Coleta Automatizada do Lixo. Foto: Ricardo Giusti/PMPA
A prefeitura municipal de Porto Alegre decidiu implantar a “Coleta Automatizada de Lixo“, inicialmente no Centro Histórico e mais dez bairros ao redor: Bom Fim, Cidade Baixa, Farroupilha e parte do Menino Deus, Praia de Belas, Azenha, Santana, Rio Branco, Moinhos de Vento e Floresta.
Trata-se de um sistema de coleta de lixo orgânico domiciliar, mas para muitos cidadãos isso foi muito mal explicado, pois os contêineres estão sempre cheios e não apenas com lixo orgânico, também existe muito lixo reciclável sendo depositado nos contêineres. A idéia não é ruim, na verdade é muito boa, pois um dos grande problema da cidade é o acúmulo de sacos plásticos com lixo nas calçadas esperando a coleta. Basta cair uma chuvarada para que muitos desses sacos com lixo sejam levados pela água até os bueiros e então bloqueiam sua entrada, causando muitos alagamentos.
O temor da prefeitura inicialmente era o vandalismo que poderia ocorrer, como depredação e queima dos contêineres de plástico. Isso já ocorre em outras cidades que já tem esse sistema em funcionamento e como cada contêiner custa aproximadamente 4 mil reais, era a grande preocupação do executivo.
O mais importante, porém, a prefeitura esqueceu de dar maior atenção: explicar claramente para que se destinava e como o cidadão deveria usar os contêineres. Resultado: a grande maioria da população dos bairros contemplados com a “coleta automatizada” desconhece que eles são destinados apenas para lixo orgânico. Outra falha do sistema é que não há recolhimento diário do lixo e como estão colocando lixo reciclável (que faz muito volume) além do orgânico nos contêineres eles normalmente estão sempre cheios e com sacos de lixo em volta.

Contêiner de lixo na João Telles, próximo da Av. Osvaldo Aranha - Foto: Cesar Cardia
A colocação de contêineres de lixo nas calçadas, em algumas ruas, mostra também a preocupação que nossa prefeitura tem em tirar espaço para os pedestres para não prejudicar o espaço dos automóveis.

Contêiner na calçada. Bairro Bom Fim - Foto: Cesar Cardia
O cidadão comum ignora que os contêineres devem ser usados apenas para o lixo orgânico e o executivo municipal ignora sua obrigação de fazer a coleta diária e de esclarecer convenientemente a população sobre a separação de lixo, seu acondicionamento e o uso adequado dos contêineres.

Atrapalhando o trânsito de pedestres - Foto de Eduino de Mattos
Talvez nossos atuais administradores devam dar uma olhadinha para o passado, aí descobrirão uma antiga administração (e no tempo da ditadura) que até usou a frase “Aqui o que importa é a pessoa” como slogan para

Centro Histórico (2010) - Foto: Cesar cardia
seu governo. O prefeito nomeado da época, Guilherme Socias Villela, fez muito para que seu “slogan” não soasse vazio. Criou a primeira Secretaria Municipal do Meio Ambiente, pioneira no Brasil. Foi o autor da Lei do Impacto Ambiental, que dispõe sobre a prevenção e o controle da poluição do meio ambiente no município.
Incentivou de maneira exemplar a criação de Parques e Praças, entregando à população o Parque Marinha do Brasil e o Parque da Harmonia, hoje rebatizado como Maucício Sirotski Sobrinho. Mas não ficou só nisso, também foram abertos o Parque Vinte de Maio e o Parque Mascarenhas de Moraes, além de 35 novas praças e feitas ampliações no Parque Moinhos de Vento e no Parque Farroupilha, totalizando o plantio de 1,15 milhão de árvores em oito anos de governo.

Brique da Redenção - criado na administração Villela. Foto de Cesar Cardia
Como “o que importava era a pessoa”, entregou obras como o Centro Municipal de Cultura, onde se situam o Teatro Renascença, a Sala Álvaro Moreyra, o Ateliê Livre e a Biblioteca Pública Municipal Josué Guimarães. Foi também o responsável pela conclusão de 15 mil casas no complexo habitacional da Restinga. Criou as Linhas Transversais de ônibus (Linhas Ts); da Tarifa Social (tarifa única) do sistema de transporte de ônibus; do sistema de Taxi-Lotação contando, ao final do período, com uma frota de ônibus renovada (idade média de 4 ½ anos).
Fez tudo isso (e muito mais) sem ter sido eleito, foi nomeado pelo regime militar!
Mas temos que reconhecer que hoje, mesmo vivendo um regime democrático, a nossa prefeitura e a maioria de nossa Câmara ignoram que a cidade só existe porque existem pessoas que vivem nela

CONTEINERES - II

Adeli...


Sobre os contêineres... Em Caxias do Sul, no inicio da implantação destes conteineres, haviam muitos problemas e dentre eles os colocados estrategicamente em esquinas, dificuldando a visão dos motoristas, e outros colocados indevidamente em ruas e calçadas... atualmente muitos destes problematicos conteineres foram sanados.


E fico triste e feliz sobre os conteineres de lixo seco, em Caxias do Sul.

Triste por estes containeres estarem mal dimencionados para a atualidade, mas Feliz por saber que atualmente o povo em Caxias do sul está usando bem o conteiner de lixo seco.


Só lamento que em Porto Alegre, não tenham colocado os conteineres para lixo seco!


E, hábitos não se estabelecem da noite para o dia. Existirão os revoltados, os duvidosos, os preconceituosos, mas também existirão os que há muito tempo esperam por isto e que ja tinham o hábito de colocar o "lixo no lixo", e que querem a cidade em ordem para receber turistas.


E, emendando com o turismo, turistas ficam mais tempo num lugar onde se sentem bem recebidos, e quanto mais tempo premanecem, mais dinheiro entra nos caixas, e, quando o turista fala bem de um lugar, mais turistas sentem vontade de conhecer o lugar que seu conterraneo se sentiu bem.... é uma bola de neve! Tenhamos conciência disto!!!


Isto vale, não somente para Porto Alegre, mas também para outras cidades que pensam que estão preparadas para os turistas, mas que na verdade não estão!


T+

Um Grande abraço

César


CONTEINERES - I

Sr. Adeli
Por acaso o senhor tem caminhado pelas ruas que estão localizados os contêiners?
Moro na rua Cel. André Belo, perto da Getúlio Vargas. É incrível a sujeira ao redor do contêiner. O cheiro já está ficando insuportável.
Já tentou colocar um lixo dento do contêiner?
No momento que se apoia o pé naquela alça para abrir a tampa, não temos apoio para o calcanhar e fica difícil de abrir. Conseguiu entender? Temos que colocar a mão na maçaneta para poder abrir. E esta nem sempre está limpa.
Na minha rua, na rua André Belo, continuam colocando lixo pelas calçadas, porque os contêines estão sempre cheios. E inclusive, quase na esquina da rua Múcio Teixeira, colocam todo tipo de lixo. Principalmente, na calçada que fica o colégio.
Tenho vergonha de passear pelas calçadas do meu bairro.
Repito, vocês vereadores caminham pela cidade? Vão até o contêiner colocar o lixo ou é a empregada de vocês? Sabem da sujeira que está ao redor dos contêiners e o cheiro? Imagina quando chegar o verão? E os ratos e baratas e moscas que vão ficar rondando estes lugares de lixo?
Na av. Getulio Vargas tem um contêiner bem na frente de uma fruteira. Está correto isto? Qual edifício, qual restaurante de gabarito vão querer um contêiner na frente do seu estabelecimento? Qual loja fina, com roupas caras e bonitas vai querer uma situação destas?
Espero que o senhor compreenda a população e dê um retorno.
Véra Lucia da Silva Moraes de Porto Alegre-bairro Menino Deus.

Desarmamento – Uma opção pela vida

*Vereador de Porto Alegre e Presidente Municipal do PT

O Rio Grande do Sul espera recolher neste ano pelo menos dez mil armas com a versão estadual da Campanha Nacional de Entrega Voluntária de Armas e Munições (Cevam/2011). Desde que foi iniciada, em 2003, o Estado tem ficado entre os três entes da federação que mais entrega armamentos de forma voluntária.

Cabe ressaltar que a criação do Estatuto do Desarmamento, em dezembro de 2003, não tirou do cidadão o direito de possuir armas. O que ocorreu foi um regramento especial e uniformizado em todo o País, pois ao entregar sua arma, o sujeito realiza um ato pela vida: preservando além da sua, a dos demais.

Figuramos hoje no topo de uma lista ingrata, indesejada e vexatória, pois somos a segunda nação em números absolutos de mortes por armas de fogo no mundo, perdendo apenas para a Rússia. Em números percentuais, estamos na quinta posição. Um ranking que não é de dar orgulho a ninguém.

Segundo recente pesquisa realizada pelo Observatório Nacional de Segurança Pública, contabilizando os dados das Secretarias de Segurança dos Estados e também do SUS, cerca de 80% das mortes por armas de fogo ocorridas no Brasil são decorrentes das armas ditas legais, em outras palavras, das que tem a venda permitida no País. Apenas 20% das mortes são provenientes do tráfico de armas.

Muitas dessas armas que ceifam vidas em nossa sociedade um dia pertenceram a um cidadão, policial ou vigilante, estando assim registrada nos órgãos de competência. Por assaltos ou outros motivos acabaram caindo nas mãos de bandidos. Esses dados não significam que temos que afrouxar a fiscalização e o combate à entrada destes armamentos, muito pelo contrário. O que temos que propor é o debate de ações alternativas de combate, como a unificação das legislações sobre armamentos com as nações vizinhas. Em países como Argentina e Uruguai, por exemplo, armas automáticas e de calibres maiores tem sua venda permitida, o que acaba facilitando a entrada ilegal no Brasil.

Mas voltando a nossa realidade, vale ressaltar que em pouco mais de 30 dias de campanha, já foram recolhidas aproximadamente mil unidades no Rio Grande do Sul. Um indicador positivo, dada a ausência de divulgação da campanha na mídia.

Aos que dizem “primeiro desarme o ladrão, depois o cidadão”, eu afirmo: “a arma na mão do cidadão pode armar o ladrão”.

domingo, 24 de julho de 2011

PROPOSTA PARA TURISMO

Quando se vai à Disney, os hotéis estão localizados em áreas distantes dos parques temáticos. Para que se visite os parques é necessário que se tome ônibus ou barcos, a partir da rede hoteleira. Os parques temáticos estão construídos em locais diferentes, de modo que, além de pelo seu tamanho, enormes, também tenhamos que dispor de vários dias para conhecer a todos.

Foi pensando nisto que imaginei de como seria interessante se a iniciativa privada se aliasse ao poder público, no sentido de dar destino melhor às nossas ilhas: Pintada, Marinheiros, das Flores, das Pedras. Nestes locais seriam criados os parques temáticos e para que os turistas pudessem conhecê-los teriam que ir ao nosso porto para tomar uma embarcação ou ônibus que os levasse a estes locais.

Pensei, também, que a rede turística, ao fornecerem propostas de pacote de viagem, poderia colocar hotel, passagem e um passeio a uma das ilhas.

Em Miami, toma-se uma barca que leva o turista por várias ilhas e, na medida que vai passando, o guia vai mostrando as casas dos astros do cinema, do futebol, da televisão. Imagina que até a casa da Xuxa é mostrada.

Por exemplo, na Ilha Grande dos Marinheiros, um dos parques, ficaria o minizoo, com a construção, lá, e a retirada daqui, dos animais que estão enclausurados no Parque Farroupilha, habitat inapropriado; Na Ilha da Pintada, uma atração gauchesca, envolvendo tambos, cavalgadas, animais etc; na Ilha das Flores, aproveitando o nome, exposição com a variedade de nossa flora(orquidários, roseirais etc).

Na minha singela imaginação, nós, turistas e moradores, quando coloco turistas, imagino pessoas dos países vizinhos, de outros Estados, de outros municípios, vindo a Porto Alegre e podendo tomar um barco, a tão badalada catamarã, e passear pelo Guaíba, conhecer o arquipélago e nossas belezas naturais.

Penso que os hotéis teriam incrementado o turismo, os ilhanos teriam aumentado seu mercado de trabalho(sorveteiros, cachorro quente, pipoqueiros, pessoal de limpeza, vigilantes etc.). Novos restaurantes, casas de artesanatos, empresas de transportes(ônibus, barcos). O Rio Grande do Sul, e, mais próximo, Porto Alegre, não seriam conhecidas, como quando se vai ao norte do país, como a região onde a água congela na torneira, ou como me disse um taxista no Rio de Janeiro: “Gostaria de conhecer Porto Alegre. È verdade que por lá se faz uma valeta e faz o churrasco no chão?”. No Rio de Janeiro, a Ilha de Paquetá é conservada com sua natureza, não existindo calçamento nas ruas e nem sendo permitido o uso de automóveis. É um ponto obrigatório ao turista que vai a aquele Estado.

No meu imaginário, seria Instigante tomar uma embarcação para passear e conhecer o Guaíba passando pela Ilha das Pedras, que serviu como depósito de pólvora e também como presídio, e ali descer e contar a história do local e não deixá-la abandonada como está. Fazer uma visita à cidade de Guaíba, atravessando O Lago.

No meu imaginário, senhor vereador... ora, deixa pra lá, isto é coisa de 3º mundista, pois este meu pensamento traria benefícios a todos!

No Correio do Povo do dia 19 de julho de 2011, página 18, está: “... ainda não há definição sobre quando haverá a desativação do Minizoo da Redenção, na área central da cidade. (...) Segundo o Gabinete da Primeira-Dama, responsável pelo processo de fechamento do minizoo, ainda está sento buscado um local adequado para os animais”.

Eis nossa sugestão: Minizoo, como primeiro passo, em uma das ilhas de Porto Alegre!

Abraços

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Armadilhas: Um grande evento também pode ser uma armadilha para um destino despreparado

Jorge Hori, consultor do sindicato das empresas de engenharia consultiva, esteve em Porto Alegre no final de junho e  deu uma pista do que pode acontecer nos próximos tres anos no Brasil. “A Copa das Confederações, que se realizará no ano de 2013 no Brasil pode ser um grande evento, mas, não atrairá turistas, e sim, jornalistas. TVs, rádios, jornais e internet  do mundo inteiro cobrirão suas seleções e dirão o que virem, pois comunicadores não teem compromisso com o marketing ou com o destino, e sim, com a notícia”.

Se projetarmos esta afirmação para o Rio Grande do Sul, a ameaça é ainda maior. Em 2012 está prevista a realização de uma corrida de carros, em 2013 haverá um torneio de masters com mais de 5 mil atletas com mais de 50 anos de idade e ainda está prevista uma etapa da copa das confederações na cidade. Os tres eventos jogarão luzes sobre a imagem da cidade e ela poderá estar transformada em um canteiro de obras, refletindo imagens que espantem algum turista pouco aventureiro ou pouco corajoso de enfrentar o incerto em um futuro tão próximo para ele em um lugar que ele pode achar tão distante, afinal, soa estranho nas TVs a afirmação de que estamos perto do “fim do mundo”

Reza a tradição que deixamos tudo para a última hora, ou achamos um jeito de adiar mais um pouquinho. Ou ainda “fingimos que fazemos e os outros, por bondade ou beocidade, fingem que veem o que gente não faz”. Assim, de improviso em improviso, de jeitinho em jeitinho, vamos ficando ao longo do caminho e perdendo os outros atores do processo do alcance de nossas vistas.

Se aplicarmos esta imagética para a cidade de Porto Alegre e os “problemas & soluções” que se acredita existir hoje e que se prevê que venham a existir em um futuro próximo e delimitado ao ano de 2014, ouviremos afirmações, questionamentos e respostas das mais variadas formas, muito menos para resolver o problema ou para aplicar a solução, mas, fundamentalmente, para resolver o caso particular de cada um dos interessados, com a premissa básica de não se alterar o status quo do individuo e com a chance viva, clara e aguçada de ganhar alguma coisa com isso. Assim, a previsão de se fazer pontes, viadutos, trincheiras, avenidas, troca de favelas de lugar, reformas e tapumes mil, não passa por questões básicas da cidade, como perfil de dívida do município, prazos de execução, projetos, respeito aos documentos legais, ao meio ambiente, a cultura e as prioridades da comunidade. As pessoas da terra-mãe que vivem, assistirão a copa e continuarão a viver na cidade depois de 2014 tambem não importam, importa sim, fazer um bom palco e encenar uma boa comédia.

Para os turistas que virão assistir a copa, criar-se-á um “corredor da copa”, onde tudo funcionará, desde o aeroporto passando pelas tres ou quatro avenidas da copa, até os hoteis e ao estádio. Até aí muito fácil, mas, e se a torcida de dentro do estado resolver vir ver os jogos? Se os uruguaios resolverem atravessar a Campanha para invadir o Beira-Rio no dia do jogo Uruguai e Marrocos? Eles virão de ônibus e pararão onde? Eles terão segurança para o ir e vir pelo centro da cidade fazendo festas? Eles não ocuparão os hoteis, não comerão nos restaurantes PRIME, nem comprarão nos shoppings de luxo, mas, como os milhões de gaúchos que se submetem a esta tortura diariamente, eles serão recebidos com seus ônibus no ponto de ônibus que tem dentro do camelódromo que chamamos de rodoviária, andarão em ruas cheias de excrementos. Não será preciso nos preocupar com as “saidinhas de banco” ou com casas de câmbio confortáveis, pois eles não trocarão dólares ou sacarão dinheiro nos caixas eletrônicos, apensa usarão a cidade para se divertir e de quebra, poderão arranjar uma briguinha ou outra. O saldo poderá ser algumas pessoas falando mal de nós por lá, mas isso não importa, a gente inventa uma outra maneira de nos enganar, achando que eles são desqualificados para nos julgar. Faremos uns tres debates e umas duas enquetes na RBS e estaremos de alma lava, para o próximo GRENAL.

Mas, tudo isso não da para fingir que não vemos, que não sabemos ou que não previmos. Da mesma forma, a verdadeira reforma que a cidade vai ganhar, bem que poderia levar em conta o bem estar dos cidadãos e sua existibilidade após o evento  e não apenas uma maquiagem para o espetáculo midiático que se encenará. O conforto do turista dveria ser assegurado, mas, o cidadão que vive trabalha e desfruta da cidade tambem deveria ser levado em conta. Um bom exemplo eu ouvi nas palavras do Engenheiro Emídio Marques Morteira, que foi diretor de obras do Beira Rio: “a reforma e modernização do Beira-Rio, foi idealizada para dar conforto ao torcedor, em primeiro lugar e a FIFA poderá usar nossa estrutura para os seus jogos, mas, nosso estádio está sendo repaginado para seu um gigante para sempre”. Bem que poderíamos aproveitar a deixa e repaginar uma Porto Alegre para sempre. Se ela for boa para seus cidadãos, certamente será para os turistas de antes, durante e depois de todas as copas.

Quanto as grandes obras, elas seriam tão bem vindas como as pequenas, mesmo que estas pequenas não paguem comissões "gordas", não precisem de grandes empreiteiras e nem precisem de contratos “guarda-chuva” como os da famigerada PPG ou de contratações por RDC – Regime Diferenciado de Contratação.

Fonte: Frontdesk

Adeli visita prefeita Rita Sanco, de Gravataí



O vereador e presidente municipal do PT Adeli Sell visitou nesta semana a prefeita de Gravataí Rita Sanco. Na oportunidade, prestou solidariedade a ela pelos ataques que vem sofrendo na cidade e também fez um relato sobre as articulações políticas para 2012.

Assessoria do Vereador

Da tribuna da Câmara, Adeli cobra ações do Executivo

Crédito: CMPA
Durante a reunião da comissão representativa da Câmara Municipal de Porto Alegre, nesta quarta-feira (20/7), o vereador Adeli Sell cobrou providências para algumas mazelas da cidade, como a questão da segurança urbana, do descaso com a comunidade da Vila dos Herdeiros e com o mobiliário urbano. 

Adeli questionou a Secretaria Municipal de Segurança Pública sobre a atuação da Guarda Municipal, pois os próprios municipais estariam abandonados e utilizados para "coisas não públicas". Alertou que, além do entorno do Ginásio Tesourinha, a BM e a polícia devem cuidar dos pontos de tráfico na Praça Garibaldi e na esquina da José do Patrocínio com Joaquim Nabuco. Para ele, as ações policiais consideradas "espetaculosas" são corretas, pois dão visibilidade às apreensões, como ocorre nos Estados Unidos.

O parlamentar disse que apelaria por ações emergenciais da prefeitura na Vila dos Herdeiros por conta da ausência do Dmae e do DEP. Outra situação foi apontada no terminal Parobé. “A imundície é vista por todos os lados e está tomado pelos moradores de rua, onde o cidadão tem de pegar ou descer do ônibus. Onde está o colega Kevin Krieger? É hora dele visitar o terminal para entender o que está acontecendo”.

Adeli também declarou-se frustrado com o sistema de contêineres na cidade “É um dos mais caros e atrasados do mundo. Em Caxias do Sul e Passo Fundo são mais modernos, mais baratos e dão conta do lixo orgânico e do seco”, criticou.

Assessoria do vereador, com Asscom CMPA

S.O.S Paradas – Nossas paradas de ônibus necessitam urgente de atenção

Há muito Porto Alegre abandonou qualquer política em relação ao mobiliário urbano. Houve, anos atrás, a tentativa de qualificar o espaço público no quesito paradas e terminais de ônibus por meio de um conjunto de paradas padronizadas que previam, inclusive com um pequeno banco e espaço para publicidade, como contrapartida ao empreendedor. Podia não ser o modelo mais bonito, mas tinha a grande vantagem de manter a parada iluminada à noite, justamente devido ao espaço publicitário que tinha luz. Havia sombra em dias de sol, abrigo para chuva e vento. Hoje em dia as paradas estão abandonadas.

Assim como falamos da nossa Orla do Guaíba, que está largada às traças e desprestigiada, retratamos agora a situação das nossas paradas e terminais de ônibus.

Os usuários de transporte coletivo na Capital e região metropolitana que circulam pelos corredores de ônibus da cidade sabem muito bem o que a falta de investimentos no mobiliário do transporte significa, na prática. Ferrugem nas estruturas, ausência de cobertura, vidros e grades de proteção danificadas fazem parte do cenário.  Além disso, problemas com moradores de rua, que literalmente se instalam nos corredores e fazem deles seu local de moradia.

Imagine você começar o dia todas as manhãs em meio a esta sujeira. Se for para ‘mofar’ esperando seu ônibus que seja num lugar confortável. Pois está provado que ambiente urbano, estética, mobilidade e acessibilidade interferem diretamente na qualidade de vida, na auto-estima e na segurança da população. Terminais de ônibus são áreas de convivência mais do que um simples espaço coberto para espera.























 É ESTE O MOBILIÁRIO QUE VOCÊ QUER?

É ESTE O MOBILIÁRIO QUE VOCÊ QUER QUE OS OUTROS VEJAM QUANDO VISITAREM A NOSSA CIDADE?

VEJA UM POUCO DO RESTO DO MUNDO AQUI:


Terminal em Curitiba, Paraná




Parada em Dubai


na Califórnia, EUA


em Cornwall, Inglaterra



Crédito das fotos: Gabinete do vereador, Sul 21, Blog Porto Imagem e Google

terça-feira, 19 de julho de 2011

Copa do Mundo deve ser vista como uma janela de oportunidades e não apenas um acontecimento pontual

Na mesa de debates, os principais dirigentes municipais das 5 legendas: PT, PSB, PCdoB, PPL e PR
Uma agenda comum, em parceria com os partidos que compõe a base do governo Tarso Genro (PT, PSB, PCdoB, PPL e PR) foi realizada nesta segunda-feira (18/07), na Câmara Municipal de Porto Alegre. A programação iniciou com o painel 'A copa como oportunidade de desenvolvimento para Porto Alegre: turismo, infra-estrutura, obras e mobilidade, com a deputada federal Manuela D´Ávila e o Coordenador do Comitê Executivo da Copa, Carlos Simon. O segundo painel tratou dos desafios para a viabilização do evento: um balanço dos projetos em andamento na cidade, com os vereadores Adeli Sell (PT) e Airto Ferronato (PSB).

A deputada Manuela D´Ávila foi a primeira a palestrar. Ela ressaltou as qualidades dos partidos que organizaram o evento, siglas estas que integram o campo político que elegeu o governador Tarso Genro no ano passado. “Temos uma visão comum de sociedade, das reformas necessárias e dos investimentos para que a sociedade melhore”, frisou ela.

Para a deputada, o importante neste momento é fazer com que a população porto-alegrense ganhe com a Copa. "Nosso maior desafio é fazer da Copa do Mundo de 2014 um marco para Porto Alegre e consolidar a ideia de que o evento é uma janela de oportunidades e não apenas um evento pontual. Afinal, a mesma cidade que queremos para o turista é a mesma cidade que queremos para os porto-alegrenses viverem todos os dias".

Carlos Simon, Coordenador do Comitê Executivo da Copa
Carlos Simon, o segundo a falar, enumerou as obras em andamento na cidade e reforçou a informação de que será o Beira Rio o estádio oficial da Copa em Porto Alegre. Segundo ele, o debate com a sociedade é urgente e precisa ser feito. “Cada vereador tem um papel importante e terá que ser cobrado por isso. O país terá benefícios por muitos anos, principalmente o incremento da atividade turística”.

O Coordenador do Comitê Executivo da Copa trouxe alguns dados do último evento esportivo realizado na África do Sul e projetou a vinda ao País de pelo menos 3 milhões de turistas, 80% deste total se hospedando em hoteis, onde cada turista deixará em média 11 mil na cidade. Investimento que fica como legado, ressaltou.

Simon foi bastante otimista em sua fala, garantindo que o País tem condições de realizar o evento, mas ressaltou: “temos que fiscalizar todos os centavos investidos neste projeto. Não podemos esconder a realidade da sociedade, precisamos discutir abertamente com todos”.

Sustentabilidade econômica, social e ambiental
Já o vereador Airto Ferronato (PSB) criticou a visão pessimista de alguns setores da sociedade no que se refere ao andamento das obras da Copa. Ele também lembrou que a cidade irá aproveitar o evento para a execução de uma série de obras de mobilidade. “Nós precisamos compreender a importância do legado que a Copa nos deixará em termos de obras e turismo”, disse ele.

Adeli Sell, vereador e presidente do PT em Porto Alegre
O vereador e presidente municipal do PT Adeli Sell foi o último a falar. Tratou de temas importantes e relevantes para o andamento das obras, que na sua avaliação estão atrasadas. Citou como exemplo Barcelona, na Espanha, que projetou a cidade sede dos Jogos Olímpicos pensando no seu povo, na modernidade e na inclusão. “Temos que pensar na sustentabilidade, que deve ser real e palpável, e deixar de aplicar o conceito apenas por estar em evidência”.

O petista lembrou que toda a mobilização realizada na região da Grande Cruzeiro, comunidade que será afetada com as obras de ampliação da Avenida Moab Caldas, também conhecida como Avenida Tronco, é fruto da mobilização dos cidadãos da Grande Cruzeiro. “A Smam sequer emitiu licença para o início das obras na região”, alertou, alfinetando a atual gestão ao afirmar que “não será com frases de efeitos ou pirotecnia que iremos resolver os problemas da Copa. Temos que pensar na efetividade. Queremos cidadania depois de 2014, este é o legado que queremos do evento”.

Em se tratando de mobilidade urbana, maior angustia dos porto-alegrenses na atualidade, algumas obras sairão, sem grandes problemas, segundo avaliação do parlamentar, por se tratar de verba federal. Mas, segundo Adeli, a mobilidade será resolvida com a qualificação do transporte coletivo hoje existente na cidade.

“Se nós não tivermos uma outra gestão que faça planejamento estratégico, com governo que pense efetivamente na população, mobilizando consciências, aglutinando novas idéias e respeitando o orçamento participativo, não teremos resultados positivos”, reforçou Adeli, acrescentando “que é preciso resolver os problemas do cotidiano nos municípios, por que sem isso teremos dificuldade de trilhar o caminho da vitória, não apenas no campo futebolístico, mas sim a vitória do povo, da inclusão social e da sustentabilidade econômica, social e ambiental”.

Por Tatiana Feldens, Asscom PT-POA

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Adeli doa livros para a biblioteca do Trensurb

A Biblioteca Livros sobre Trilhos, uma parceria da Trensurb com o Instituto Brasil Leitor, recebeu na tarde desta segunda-feira (18/07) a doação de exemplares do livro Porto Alegre: a Modernidade Suspensa, de autoria do vereador Adeli Sell. Fiel incentivador do livro e da leitura, Adeli procurou a biblioteca para estabelecer uma parceria e se colocar a disposição da coordenadoria na implantação de novos projetos. “Saúdo a iniciativa de proporcionar aos passageiros de Porto Alegre e da região Metropolitana a oportunidade de interagir com o livro e a leitura”, disse o vereador.

A Biblioteca funciona de segunda a sexta-feira, das 11h às 20h, na plataforma de embarque da Estação Mercado da Trensurb. Para utilizar o serviço, é necessário apenas fazer um cadastro gratuito. Os interessados devem apresentar documento de identidade e CPF (original e cópia), juntamente com uma foto 3x4 e comprovante de residência.

O acervo conta com mais de 3 mil livros dos mais diversos estilos: literatura brasileira, autoajuda, best-seller, infanto-juvenil, filosofia, religião, ciências sociais, linguística, artes e história. Os livros de literatura, de acordo Mario Ferreira da Silva, coordenador da biblioteca, são os que mais têm atraído leitores.

Por Tatiana Feldens
Gabinete do Vereador Adeli Sell

FEEAC e SEEAC recebem Adeli para almoço

Adeli entre o presidente da FEEAC, Dirceu Saraiva,
e Sérgio Almeida, do Sindasseio





A Federação e o Sindicato dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Estado do Rio Grande do Sul, FEEAC e SEEAC, respectivamente, receberam nesta segunda-feira (18.07) o vereador e presidente municipal do PT Adeli Sell para um almoço. Na oportunidade, Adeli falou da sua intenção de protocolar projeto de lei que minimize as lacunas enfrentadas pela categoria na aplicação da lei 8666, que prevê Licitações e Contratos Públicos.

O parlamentar tem se destacado na luta pela legalidade e pela preservação do direito do trabalhador e com a aprovação da lei, prevista para ser protocolada no segundo semestre prevendo a obrigatoriedade da exigência de regularidade de vínculo sindical, o vereador espera coibir a ampliação das empresas laranjas, assim como as falsas cooperativas em Porto Alegre.

Por Tatiana Feldens
Gabinete do Vereador Adeli Sell

S.O.S. ORLA – A Orla de Porto Alegre necessita urgente de atenção

Reproduzo abaixo excelente material encaminhado por vários cidadãos porto-alegrenses indignados com o descaso da nossa Orla do Guaíba. As fotos são de Gilberto Simon, do blog Porto Imagem. Veja, compare e lutemos por uma Orla melhor.

"No livro Porto Alegre: a Modernidade Suspensa, de minha autoria, afirmo que a cidade nunca teve uma relação direta e umbilical com as águas. Embora sua vasta extensão (mais de 70 km de orla), temos ampla carência de utilização do Guaíba, dos seus afluentes e da saída para o mar de navios e embarcações. Também não utilizamos nossas águas para esporte, como remo ou disputas náuticas em geral. Qualquer cidade mediana do mundo afora realizaria competições, aproveitando o espelho da água.
Se olharmos para o passado, houve épocas em que havia dezenas de barcos de passeio percorrendo o nosso Guaíba. Hoje, não é comum sequer o porto-alegrense sair de casa para conhecer o lago, menos ainda que nossos visitantes o façam, e esta é uma grande falha. Por isso, precisamos de mais ousadia para mudar esta realidade, que como mostram as fotos abaixo, nos colocam em um patamar muito inferior às grandes cidades mundo afora".

Gasômetro: as pessoas frequentam e nem se dão conta da falta de estrutura...
                      Único bar na orla... lamentável !

A falta de condições é gritante. Na foto, a "obra-de-arte-mirante", desativada por ferrugem.

Sem opção melhor, as pessoas acabam por usufruir o mínimo ....
Orla do Parque da Harmonia. Inacessível, perigosa e suja.

Margem do Guaíba... veja a sujeira e a péssima qualidade da água....
Orla em frente ao BarraShoppingSul: suja, abandonada, habitada por indigentes, perigosa e inacessível

       Estrutura modesta, pobre, ridícula....

Agora pense:
Praticamente todas as cidades do mundo que tem uma orla, a valorizam, criando locais com estrutura, para utilização de toda a população, através de residências, restaurantes, bares, marinas, píers, centros comerciais, espaços de convivência e lindos jardins.

Aqui em Porto Alegre temos uma orla de 72 Km, com poucos espaços em que a sua utilização é possível. Talvez a orla da praia de Ipanema seja a mais utilizada em razão de ser em um bairro essencialmente residencial e por ter alguns bares e restaurantes próximos da margem.  Já a orla junto ao Parque da Harmonia e ao Gasômetro é feia, sem estrutura, mas que as pessoas acabam utilizando pela total falta de outros lugares em áreas centrais da cidade. Antes o “Gasômetro” do que nada. Grande parte das pessoas deve pensar desta forma. Mas esta forma de pensar é um tanto cômoda e indigna.

É ESTA A ORLA QUE VOCÊ QUER?

É ESTA A ORLA QUE VOCÊ QUER QUE OS OUTROS VEJAM QUANDO VISITAREM A NOSSA CIDADE?

VEJA UM POUCO DO RESTO DO MUNDO AQUI:

                                                                    Sydney, AUSTRÁLIA

Barcelona, ESPANHA



 

                                                                       Chicago, EUA



                                                                      Rio de Janeiro, BRASIL