segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

TRANSPORTE EM CAOS

Caro vereador Adeli Sell


Pode divulgar sem restrição, mas alerto que a lotação que veio depois de 55 minutos de espera no caso presente era a de número 634, e hoje verifiquei que algumas tem as placas de horários, só não sei se obedecem.

Entendo que deve haver uma ação do poder concedente pois isto esta virando uma terra de ninguém:

1 - As passagem estão vinculadas a uma equação do tipo preço do ônibus + 1 Real E PONTO FINAL. Mesmo os custo não necessitar ser reposto na tarifa, ela tem que aumentar de qualquer jeito....

2- Algumas lotações tem ar-condicionado. Entendo que todas devem ter ar-condicionado e sempre funcionando adequadamente, coisa que se constata que não funciona e não se tem para reclamar.... O motorista normalmente dá informações evasiva. A tarifa inclui ou não esta obrigação de estar funcionando sempre?

3- Nas paradas das lotações, não existe nenhuma indicação de que linha passa por ali e principalmente os horários de passagem. Creio que aqui esta a pior desorganização do nosso sistema de transporte público: Não existe placas nas paradas, e nem nos fim de linhas , para o usuário ficar na expectativa de que teremos uma lotação dentro de alguns minutos a sua disposição, particularmente a que horas sai a última dos fim de linhas. Hoje descobri que a última na direção do Bairro Higienópolis - via Hospital Militar parte do terminal DR. Flores às 19:15 hs. Só que isto esta dentro de uma tabela minúscula dentro da lotação, pois na parada não tem nada escrito, e nem fiscal naquela hora da noite para dizer para o "coitado" usuário que não irá ficar parado na solidão da rua sozinho aguardando por nada....

4- No Horário de meio dia não existe lotações cumprindo horário- pelo menos da Linha Higienópolis - Hospital Militar, conforme constato com freqüência quando espero por dezenas de minuto por ela e me atraso devido ao não cumprimento dos horários. Nem fiscal ficam disponível no fim de linha para fazer cumprir o horário....

5- Tanto na lataria da lotação como no interior dela aparece em letras garafais o número da EPTC 118 para reclamar, só que não explica que a reclamação é só para alguns casos com do motorista fazendo barbeiragem, e coisas deste naipe. Tudo referente a cumprimento de horário e estado da lotação não é com eles, e muito a mau gosto te informa que é a responsabilidade de uma tal de ATL , que tem um telefone que tens que pagar para ligar (não é o caso do 118) ou 0800, e normalmente no meio dia não funciona, e à tarde a possibilidade de pegares desocupado é mínima.... Alguma coisa esta errada: Porque uma empresa (EPTC) faz o papel de fiscalizadora em alguns casos e em outros se omite. Entendo que isto é a obrigação de um órgão de fiscalização do poder concedente e não entregue a uma empresa, que inclusive cria multas e as aplicas para manter a sua renda... Isto é um ultraje a nós munícipe, pois parece uma fábrica de irregularidades. A população não parou para debater isto, mas esta na hora dos vereadores criar uma CPI para examinar todos estas ações do tipo quem cria as leis, cuida do trânsito, sinaleiras, multas, transporte público (taxi, seletivos, ônibus, paradas, sinalizações das ruas....). Esta na hora de se fazer uma enquete junto aos usuários nas paradas para se verificar os reais problemas que esta ocorrendo neste nosso transporte coletivo e sua infra-estrutura...

6- Os ônibus de Porto Alegre estão ficando bons, limpos, com condicionador de ar, cumprindo horários e as lotações, quem garante isto?

Em resumo, o que sinto de problema atualmente: falta de esclarecimento de qual é o papel das lotações na rede de transporte, quem fiscaliza, porque não colocam placas com seus horários nos fins de linha, porque não divulgam qual o papel da EPTC e da ATL em cada caso e seus telefones do tipo 0800, cumprimento dos horários e regularidade ao longo das linhas.

Grato


Vitor Dahm

Um comentário:

Luis Afonso disse...

Pobre Sr. Vitor Dahm,
lamento muito mas o sr gasta o seu dinheiro sem o saber. O telefone 118 da EPTC NÃO É ligação gratuita há muito tempo.